quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Mágoa

E mágoa
Já vou dizendo de antemão
Se eu encontrar com você
To com três pedras na mão

Eu só queria distância da nossa distancia
Sai por ai procurando uma contra mão
Acabei chegando na sua rua
Na dúvida qual era a sua janela

Lembrei que era pra cada um ficar na sua
Mas é que até a minha solidão estava na dela
Atirei uma pedra na sua janela

E logo correndo me arrependi
Foi o medo de te acertar
E disso eu quase me esqueci

Atirei outra pedra na sua janela
Uma que não fez o menor ruído
Não quebrou, não rachou, não deu em nada
E eu pensei, talvez você tenha me esquecido

Eu só não consegui te acertar o coração
Porque eu já era o alvo de tanto que eu tinha sofrido
Ai nem mais precisava mais de pedra
Minha raiva quase transpassa a espessura do seu vidro

É mágoa
O que eu choro é água com sal
Se der um vento é maremoto
Se eu for embora não sou mais eu
Água de torneira não volta
E eu embora
Adeus.

5 comentários:

Flavinha disse...

Tive a curiosodade de observar os marcadores que vc utilizou: Amores, Passado.

E me lembrei das pedras que já trouxe nas mãos. Atirei algumas, é verdade - que rolaram, rolaram e acabaram me acertando.

Essas pedras nunca atingem o alvo que se pretende que atinjam. Na verdade, até o desejo de atingir tais alvos é momentâneo... o melhor mesmo é abrir as mãos, e deixar que as pedras caiam no chão e fiquem por lá - um dia o choro de água com sal vira mar, e leva embora as pedras, as mágoas e as lembranças.

Beijos, moço!

Flavinha disse...

Eu e os meus erros de digitação.

Leia: curiosidade.

Ah, desatenção que me persegue (rsrs)...

Beijos mais

Tudo ou nada ... disse...

=) Flavinha - adorei seu resumo, disse tudo que eu deseja ouvir. Por isso q gosto tanto disso aki, sempre tem algo certo na hora certa para ouvirmos.
Obrigado
Bjos

inutilia sapiens disse...

é...
a flavinha sempre diz o que queremos ouvir e teu blog não é diferente, caro luciano, como disse antes entro no seu blog e respiro mais forte pra poder guardar de peito cheio o que leio aqui!
me vejo em tuas linhas!
abraço.

lindo o post acima também!

Tudo ou nada ... disse...

;o) Bruno - realmente a Flavinha nos acerta com seus textos como uma flecha num alvo certo, gosto muito dela.
Obrigado por suas palavras sempre tão cheias de carisma e sinceridade, o mundo com certeza precisa mais de pessoas como vc.
Abração