terça-feira, 9 de março de 2010

Dores .. amargas dores ...



De perdas e danos me fortaleço

Me seguro no improvavel e solto a vela ao tempo

Culpa? quem tem nao sei, sei apenas que não quero mais


De um dia após o outro quero me suster

Almejar o amanhã para que? se o hoje não é bem vindo!

Nada de sofrimento, nada de lágrimas

Apenas a decepção de mais um fim, é o que atormenta


Do seu sorriso mais doce quero recordar

Saudosamente os sentimentos se acolhem

Escondeu-se e se recolheu a sua insignificancia

Insignificancia esta que é amarga e faz doer


Sentimento de alerta, sentimento de covardia

Então sentimento final


Luciano

18 comentários:

Fernanda disse...

oi meu querido! quanto tempo! estava com saudades! como vai a vida?
bjks!

Lilianne Mirian' disse...

- Incertezas também doem.
Fica a "falta de esperança".

Lindo texto querido!

beiijo'

Rafael disse...

Legal, belo poema...
abraço

Cris disse...

Lu,
Não se esqueça:
O fim sempre nos dá a chance de um novo início...
Mil beijos!
Com carinho,
Cris

a calma alma má disse...

Lu, você voltou!!!
E deixou recadinho pra mim lá no blog.
Sabe, andei pensando em vc...
saudades viu querido?
bjs

Ale Danyluk disse...

Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para esculpir a serenidade. Usar a dor para lapidar o prazer. Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência. ( Augusto Cury)

E eu nem preciso te dizer o quanto inteligente você é, né???
Bora viver, com ou sem motivos.
Beijo

Luifel disse...

Sei la, esse poema me fez lembrar um pensamto latino:"Dum spiro, spero!"

Esperança, sempre, mesmo contra toda esperança é o meu lema!

Abção!

Ale Danyluk disse...

PS: Lembra daquele que disse :

"aquilo que não me mata, me torna ainda mais forte..."
Pois é. Pode acreditar porque não é lenda não. É fato.
rsrsrsrs

Thiago Ya'agob disse...

"Quero saber o que mais, ao perder, eu ganhei. Por enquanto
não sei: só ao me reviver é que vou viver."

Clarice Lispector - A Paizão segundo G.H.

(Tenha uma boa semana, querido).

Anônimo disse...

olá luciano, gostaria de dizer o quanto eu gostei dos seus posts. é de um bom gosto incrível, além de ser muito tocante. Peguei emprestado um poema seu (surtos)e o coloquei em um depoimento que mandei para meu namorado no orkut. Não se preocupe que o poema está creditado. Espero que você não se importe e que você continue escrevendo lindamente. Abraço, Samia Gouveia - Fortaleza/Ceará

Cris disse...

Não suma tanto, Lu!

[ rod ] ® disse...

Os sentimentos são tão confusos que, por vezes, o que mais queremos é nos livrar deles... e passar para a fase 'novo' com um gosto de fim começo! abs amigo.

Ju disse...

isso também passa...

|Renatinha!| disse...

Oi Lú querido e sumido!
Como vc está?
Nunca mais apareceu... =/
Que houve?
Dá sinal de vida moço!
=*

Sylvia Araujo disse...

...que é a mola pra um novo recomeçar.

Que bonito seu canto.

Beijoca

Ju disse...

navegar,sempre!
:)

Simplesmente Outono disse...

Gostei.
Gostei muito.
Será inevitável não voltar.
Simplesmente Outono.

Crazy Silly Poet disse...

Proque Isso nos alivia o amago ein e deixa-nos, mesmo que por um segundo mais leves?

Belo Poema!