terça-feira, 30 de novembro de 2010

A Flor da Pele




Pulsante e nervosamente te sinto

Como o ar que respiro necessito sofrer este sentir

Sofrer a dor da tua presença sem seu toque, seu olhar

Com o som de mil sinos ouço o vazio dentro de mim

Doloroso este som que incomoda e faz pensar

Pensar que talvez não mais te sentirei

Pensar que não mais existirá

Alivio


Luciano Fabre

5 comentários:

Luma Rosa disse...

Entre a dúvida de ter ou não. O não ter pode ser encarado como alívio! libertação! (rs*)

Juliana Borges disse...

oi Luciano,
Bom voltar a ler tua escrita.
Tudo de bom,
Bjs

Ana Bella Carolina disse...

Tudo novo aquiii...Nossa que saudades tenho de passar as tardes viajando aqui, a falta de tempo me priva deste prazer.
Amei "A flor da pele", me fez lembrar a música do Zeca Baleiro, "Ando tão a flor da pele, qualquer beijo de novela me faz chorar...", conhece? Se não, busque ela no youtube, é linda, tal como o que você escreve...
Beijos querido, parabéns!

Ana Bella Carolina disse...

Ahhh, quase me esqueço, meu blog anda tão parado coitadinho, o tenho deixado às moscas pela falta de tempo, mesmo assim você deu o ar da graça, muito obrigada viu!
Beijocas, te cuida!

Tudo ou nada ... disse...

Obrigado a todas voces .. são sempre muito bem vindas, com certeza.
bjos