sexta-feira, 27 de julho de 2007

Angustias

O amor morreu
Fecham-se as cortinas, o espetáculo acabou
Escureça o sol, calem-se os pássaros
O amor morreu
Tudo de belo se desfez e murchou
A escuridão e a angustia tomam de novo o cenário
Como ator principal o medo, como tema a solidão
O amor morreu

Luciano Fabre

3 comentários:

Duas disse...

acho que é preciso ter coragem para escrever um poema. portanto, moço corajoso, parabéns.

um dia vou ver se arrisco uns versos sem rimas...

um beijo,

elisa

teo netto disse...

lindo, amargo e muito interessante. Leia ao som de radiohead, ganha um "q" a mais!

Fabi disse...

Lindo ;)

bj